Vereador Francisco Carlos diz que Mossoró passa por crise de liderança

fco carlos Foto Walmir AlvesDiante dos últimos acontecimentos em Mossoró e no Rio Grande do Norte, com diferentes categorias paralisando suas atividades, o vereador Francisco Carlos disse que Mossoró vive hoje uma crise de gestão e de lideranças. Citou como exemplo da ausência de líderes políticos o caso da greve da Uern, quando foi preciso a intervenção da igreja, seus bispos e seus padres para tentar encontrar uma solução.

“Onde estão os líderes políticos?”, questionou o professor durante a sessão da terça-feira no plenário da Câmara Municipal de Mossoró. Na avaliação do vereador Francisco Carlos o que acontece hoje na universidade é o reflexo também do que acontece pela inexistência de projetos em Mossoró.

Como exemplo o vereador citou a peça orçamentária para 2016 montada pela equipe da prefeitura, considerando-a uma peça ruim, de mera ficção, e, acrescentou, que representa bem a cara do atual prefeito Francisco José Júnior. “O que me estranha é a média do orçamento de 2016 ser superior a 2015 quando se fala tanto em crise, como explicar isso?”, indaga o vereador.

Francisco Carlos questionou ainda como o prefeito fala em cortes nas despesas de R$ 3 milhões mensais, se não são suficientes sequer recompor os valores da Previ que são descontados dos servidores e não foram depositados, situação essa que deve ser levado para apreciação da Justiça. Para o orçamento de 2016, o vereador disse esperar que não se repita os erros de 2015, quando a prefeitura, com aprovação da Câmara, deixou de repassar os valores legais exigidos para o setor da educação e, enquanto isso, para votação de aumento para os servidores, Francisco Carlos lamenta que o plenário do legislativo fique vazio, como aconteceu na sessão da terça-feira.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação