Governo teme que prisão de Delcídio barre aprovação de nova meta fiscal

Abalo sísmico As prisões do líder do governo no Senado e de um dos príncipes do mercado financeiro agudizam a crise em várias frentes. No Congresso, votações importantes serão adiadas a ponto de o Palácio do Planalto já temer não conseguir aprovar a nova meta fiscal deste ano, o que o obrigaria a contingenciar nada menos do que R$ 100 bilhões até dezembro. Se não fechar as contas do ano em ordem, Dilma Rousseff começa 2016 extremamente vulnerável a um processo de impeachment.

Linha de corte Para cumprir a meta antiga de superavit primário, de 1,1% do PIB, em apenas um mês, o governo sofreria um verdadeiro “shutdown”: teria de dar calote na folha de pagamento e suspender um volume brutal de benefícios sociais.

Manancial Investigadores apontam que os locais de busca mais profícuos foram os ligados a Diogo Ferreira, chefe de gabinete do senador Delcídio do Amaral (PT-MS).

Sem flashes Investigadores relataram que Delcídio estava “acabrunhado” ao ser preso, pela manhã. “Estou com medo de ser fotografado”, disse, a caminho da superintendência da PF.

Batismo O Ministério Público Federal sugeriu nomear a operação de Catilina –senador romano flagrado em atos criminosos. O nome acabou não sendo divulgado.

Fora A tendência na Executiva Nacional do PT é a de expulsar Delcídio do partido, embora deva haver resistência de alguns dirigentes.

Acordão Ao longo do dia, integrantes do PT, do PMDB e do PSDB articularam um plano para livrar o senador da prisão, mediante voto fechado na decisão de plenário sobre a continuidade da detenção. Esse cenário só foi alterado depois que o PT divulgou uma nota oficial abandonando o correligionário.

Sou você amanhã Em uma das reuniões para tratar do destino de Delcídio, José Sarney fez um alerta aos que defendiam manter o petista na prisão: “Cuidado. Isso abre um precedente…”.

Pecado capital Ao citar ministros do Supremo na conversa com o filho de Nestor Cerveró, Delcídio aguçou o espírito de corpo do tribunal. A expectativa na corte é que ele não tenha vida fácil nesta e em nenhuma outra decisão daqui para a frente.

Infecção Os demais sócios do BTG Pactual devem agir para isolar André Esteves, preso nesta quarta. O burburinho no mercado financeiro é o de que eles tentarão comprar a participação do executivo no banco para não contaminar a instituição.

Como está fica A disposição dos investigadores, por ora, é a de tentar manter Esteves preso seja pela prorrogação da prisão temporária, seja pela prisão preventiva. A defesa, entretanto, vê fragilidade nos argumentos.

FullSizeRender (4)

De cinema Por seu perfil agressivo nos negócios, Esteves tem no mercado financeiro o apelido de Darth Vader.

Interligadas 1 A oposição se animou com um ponto da conversa com procuradores sobre o afastamento de Eduardo Cunha: a PGR disse ver vasos comunicantes entre a apuração que ela conduz e o processo que corre no Conselho de Ética.

Interligadas 2 Para os parlamentares, a obstrução em um caso pode, portanto, levar a decisões sobre o outro.

Quem diria Quando virou alvo da Lava Jato, Cunha chegou a reclamar de não ter recebido o mesmo tratamento de Delcídio por parte da PGR que pedira o arquivamento do caso contra o petista.

Na marra Betinho Gomes (PSDB-PE) vai entrar na PGR com uma ação em que sustenta que o Banco do Brasil desobedeceu a CPI do BNDES ao supostamente retardar o envio de informações à comissão. A assessoria do banco diz não haver atrasos.


TIROTEIO

A manifestação do presidente é fruto de coragem e ousadia. O reencontro com nossas bandeiras históricas é um conforto.

DE MARCO AURÉLIO DE CARVALHO, coordenador jurídico do PT, sobre Omar Aziz (PSD-AM) ter criticado Rui Falcão por não defender Delcídio do Amaral.