Preocupados com saída de Cardozo, delegados da PF pedem apoio ‘do povo’

 

josc3a9-eduardo-cardozo

 

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal manifestou preocupação nesta segunda-feira (29) com a notícia, antecipada pela Folha de S.Paulo, de que o ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) irá deixar a pasta.

Em nota, os delegados disseram ter recebido a informação “com extrema preocupação” e afirmaram que a saída do ministro se deve “em razões de pressões políticas para que controle os trabalhos da Polícia Federal”. A associação pediu “apoio do povo brasileiro para defender a Polícia Federal”.

Como a Polícia Federal é subordinada ao Ministério da Justiça, Cardozo é visto como o responsável por deixar que a Operação Lava Jato, que investiga esquema de corrupção na Petrobras, siga o seu curso.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um dos que insistia em ter a cabeça do ministro. Para Lula, Cardozo é o responsável pelo avanço das investigações ao coração do PT e do Planalto.

Nas últimas semanas, a pressão sobre Cardozo, vinda do PT, de partidos da base do governo e de representantes de setores empresariais, chegou a limites “intoleráveis”, segundo revelaram amigos próximos do ministro.

“Os Delegados Federais reiteram que defenderão a independência funcional para a livre condução da investigação criminal e adotarão todas as medidas para preservar a pouca, mas importante, autonomia que a instituição Polícia Federal conquistou”, diz a nota. “Nesse cenário de grandes incertezas, se torna urgente a inserção da autonomia funcional e financeira da PF no texto constitucional.”