Realidade virtual

mundo-virtual

Em meio ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, agora no Senado Federal, em um momento em que o Brasil parece ter duas realidades: A de um governo que parece que está arrumando as malas, e outro, que claramente se organiza para assumir; eis que temos também no plano local a realidade que a sociedade percebe, e a realidade virtual criada pelo governador.

Na realidade da sociedade, a sensação de insegurança só cresce; na do governador, a culpa é dos boatos e dos inconformados com a derrota de 2014. Embora pareça que o número de inconformados só cresça a cada dia. Para evitar que a insegurança se torne seu maior calo, já que prometeu ser o melhor governador da história do RN, e por estudar 20 anos sobre o assunto segurança, o governador quer ser também o governador da segurança. Robinson Faria trouxe da Paraíba um delegado conhecido por ser linha dura na terra de Ariano Suassuna. Linha dura e polêmico, ao que parece, mas se é isso que o governo precisa para organizar o sistema carcerário, para retomar o controle dos presídios, que assim seja. Falta decidir o secretário de segurança, que tem a missão de dar continuidade ao planejamento da ex-secretária Kalina Leite, ou mudar tudo.

Na realidade da sociedade, após a maior greve da história da UERN, ou antes dela, não se teve/tem muito claro as diretrizes da secretaria estadual de educação; na realidade do governador, a culpa é do PT que saiu do seu governo e levou suas escolhas técnicas e não políticas. Na ausência dos técnicos do Partido dos Trabalhadores, o governador Robinson Faria escolheu a doutora em Educação, Cláudia Santa Rosa, e assim se proteger de qualquer tipo de crítica, tendo em vista que Cláudia Santa Rosa além de muito qualificada e respeitada, é bem relacionada com os órgãos de comunicação. Para Cláudia ficou, além de acalmar os ânimos dos sindicatos, a responsabilidade de dar visibilidade ao trabalho da sua pasta, ainda que fique em segundo plano, já que o maior problema dessa gestão estadual é resolver, ou amenizar, os problemas de segurança e saúde.

Na realidade da sociedade, a saúde do RN está de pernas para o ar; Na realidade do governador, a culpa é do ex-secretário Ricardo Lagreca e sua equipe, criticados publicamente em entrevista, que não conseguiu em pouco mais de um ano resolver os problemas da saúde do estado. Dr Ricardo Lagreca foi um homem paciente. Sem estrutura suficiente e com pouco respaldo, tendo em vista as constantes críticas dos próprios deputados estaduais governistas, saiu parecendo ser demitido, quando ele pediu demissão, e saiu parecendo ser incompetente, coisa que nunca foi. Assume a ortopedista Eulália Alves, que tem a mesma missão e prioridade do ex-secretário. Ou seja, ele não estava no caminho errado, talvez estivesse fazendo do jeito errado, técnico.

O governador pediu aos seus novos secretários humildade e ir para a rua ouvir o povo. E o povo tem dito que se for comprar sandálias da humildade, melhor comprar em grande quantidade para abastecer o governo inteiro. E se for para ouvir o povo, melhor o governador cumprir a promessa de dar expediente no Walfredo Gurgel.