A governança do espetáculo!

Vejo hoje, depois de quase dois anos de sua posse, a notícia de que o governador do estado promete, para os próximos dias, a instalação do governo na cidade de Mossoró, e que essa ida é para anunciar uma série de atos da gestão para amenizar o caos do serviço público estadual instalado, não só em Mossoró, mas, em todo o estado. Cá com meus botões fico pensando… mas, ao assumir o governo não seria obrigação de qualquer governante propor medidas, empreender com capacidade resolutiva os problemas que afetam a população e os próprios imbróglios administrativos do estado? Não seria de se esperar a normalidade no funcionamento dos serviços de saúde, segurança, educação e os demais de sua competência? Creio eu que sim, no ato de candidatar-se ao cargo de gestor maior do estado, seja quem for, há de olhar para si mesmo e verificar se tem a devida capacidade para garantir o mínimo que se espera da gestão pública. Quanto à meteórica ida do governador à Mossoró, de certo que será bem vindo, contudo, cabe refletir que, diante do caos a que está entregue a população, não dá para aceitar uma gestão feita com base em espetáculos e festim, os cidadãos esperam realmente que o gestor tenha a competência de propor medidas com solução de continuidade. Talvez o governador tenha acordado para o desfavorecido resultado das urnas na cidade para seu partido, e a crescente rejeição ao seu nome, justamente na cidade que lhe deu a maior vitória e que ele prometeu jamais abandonar. Por sinal, seria importante que nessa ida, espetaculosa, o governo anunciasse um plano de investimentos para a saúde, que apresentasse alternativa clara para a demanda reprimida ocasionada pelo fechamento do Hospital da Mulher, que anunciasse medidas efetivas para o combate à violência que tanto apavora a nossa cidade. Poderia ser incisivo na posição em defesa da UERN, fazendo visita institucional e liberando recursos para o custeio da instituição. Esperamos e torcemos para que esta não seja só mais uma visita de espetáculo, com enorme agenda de reuniões, assinaturas de protocolos de intenções e, efetivamente, nada, mas nada mesmo acontece, por fim, seja bem vindo governador, e que traga soluções e encaminhamentos práticos para melhorar a qualidade de vida do nosso povo.